O homem, o não-chorar e não-sorrir


Em algum momento da minha formação de adulto-homem, lembro claramente de duas coisas:

1) de ser dito que eu não devia chorar

2) de ser dito que eu não devia sorrir

Não chorar veio primeiro. Eu ainda era pequeno. Muitas e muitas vezes ouvi que homem que chora não é homem. É frouxo. Não aguenta. Espana. Passa vergonha.

Tá certo que o choro é multitarefa. Ele serve pra expressar a dor mas serve também pra transbordar de alegria. Mas a gente até se acostuma com a ordem, por que não é toda hora que dá vontade de chorar mesmo.

Já não sorria veio só depois de adulto. Veio junto com o trabalho, com a necessidade de impor respeito, de criar aquela carranca que dá medo. Eu não sei se sou muito bom nisso, confesso.

Mas sei que das duas coisas que aparentemente definem o homem, tanto o não-choro quanto o não-sorriso, definitivamente, o não-sorriso é a que eu acredito ser a que mais dói e mais mutila, pois uma vez que você não sorri, o tônus da musculatura do rosto vai perdendo rigidez e dá lugar a uma expressão triste, afundada, de quem perdeu o brilho e a alma.

Seu pai, seu tio ou mesmo o desconhecido do seu lado no ônibus agora. Olha direitinho ao redor aí. Não é difícil ver quem levou a sério essa ordem.

O pior, claro, vai ser se você tiver que ir até o espelho pra ver.


Ouça meu single Entrega

Acabei de lançar um single chamado Entrega. Se quiser me fazer feliz, não economize nas palmas aqui embaixo mas também ouça minhas músicas, deixe um recado, siga meu Instagram ou no Spotify. Assim eu garanto que você faz o meu dia. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *